18 julho 2009

Dia 4 - Cala a boca!

Pre Scriptum: Essas são as impressões da experiência de uma semana sem falar. O Caderno Amarelo foi onde escrevi, quando precisei me comunicar com alguém.

O dia 1 teve oito páginas. O dia 2, quatro. O dia 3, seis. Hoje, meu dia teve dezesseis páginas. Viajei com um dos meus melhores amigos. Viajar de carro é estranhamente bom. É a sensação que a gente tanto busca na vida: a de se estar indo. Estar se movendo, estar evoluindo. Esses momentos causam tranquilidade, e tranquilidade traz boa conversa. Mas o Caderno Amarelo, como se gostasse de olhar no olho, não se comunica bem em movimento. Só soltou-se quando chegou no destino. Lá, não foi com meu amigo que falei, e sim, com gente que não conhecia. Pessoas novas são como panelas vazias, recebem cru e, se postas ao fogo, devolvem cozido.



Mas trocar opiniões não é fácil nem está pronto em três minutos, como Miojo. Notei, várias vezes, que estava em discussões circulares, sem sair do lugar. Se não me policío, me encontro no meio da discussão a procurar minha resposta na última frase de quem discute comigo, ao invés de tentar buscar o entendimento, o raciocínio sobre a frase recebida. Normalmente, a gente não percebe que só quer rebater o que o outro fala, mas como o Caderno Amarelo me faz pensar se o que vou escrever vale a pena, noto claramente quando a discussão está sendo mexida na panela, mas o fogo está desligado.
Creio que desferimos opiniões por reação. O Assis Brasil contou uma vez que um amigo, também escritor, também famoso, foi perguntado o porquê de ser tão tímido. Ele respondeu "É que não consigo pensar e falar ao mesmo tempo". Pra mim, essa é a questão. Alguém te pergunta "O que tu acha dos Blogs?" e tu responde, por reação, o primeiro raciocínio que vem à cabeça, pois ficar um tempo pensando sobre o assunto seria inadequado. E agora que tu já destes uma opinião, a defenderá como se fosse bandeira, imutável.

Espero ansioso pelo dia em que um repórter, ao vivo, fará uma pergunta como "O resultado do jogo foi justo?", e o jogador responderá "Deixe-me pensar". E ficaremos alguns minutos, congelados, esperando resposta do jogador. Mas quem gritará será o silêncio, que dirá: "E se, agora, todo mundo tiver que pensar antes de opinar?!"

5 comentários:

  1. um dos melhores amigos19 de julho de 2009 13:33

    "É a sensação que a gente tanto busca na vida: a de se estar indo. Estar se movendo, estar evoluindo."

    Espetacular!!!

    ResponderExcluir
  2. otima conclusão. como seria se todos pensassem antes de explanar::

    ResponderExcluir
  3. Achei muito legal esse texto!
    Qual é a temática do caderno azul? Sim, porque o caderno que tu estava hoje na Cultura é azul - e não amarelo -, não é?
    Falamos sobre as pessoas que querem aparecer, seja para um professor, seja para alguém na balada. Lembrei de um texto meu, de dois anos atrás. Bom, publiquei lá no meu blog,e quiser dar uma olhada: http://www.katiahochberg.com/

    ResponderExcluir
  4. Valeu, Gabrielt! Espero que tu digas isso de novo no futuro ;)

    Gaston, brigadot, sabia que aquela frase ia te pegar! uhaeuaeh

    Rê, tu é linda. Ops, não é isso. Ahn... brigado aeuhae

    Brigado, Kátia :) O Caderno Azul, vou dar uma pista. Tá escrito na capa dele: "E agora, José?"
    Vou lê-la e te respondo lá.

    ResponderExcluir